DestaquesPolítica

Marcos Alfredo reage às críticas de Tibério Limeira à gestão de Campina Grande: “A palavra que nos distingue é a honestidade”

O secretário Marcos Alfredo, chefe de Gabinete e coordenador de Comunicação da Prefeitura de Campina Grande, reagiu às declarações feitas, numa emissora de rádio nesta segunda-feira, 5, pelo secretário Tibério Limeira, da Administração do Estado, à gestão do prefeito Bruno Cunha Lima.

– Sugiro ao secretário Tibério que, no lugar de dar pitaco na política de Campina Grande, se esmere em se defender, de forma convincentez sobre as denúncias envolvendo seu nome e de boa parte do governo estadual no escândalo protagonizado pelo Padre Egídio – contra-atacou Marcos Alfredo, destacando que a palavra que distingue a gestão de Bruno da do PSB é honestidade.

De acordo com o chefe de Gabinete da Prefeitura campinense, bem distante de escândalos de corrupção, a gestão de Bruno Cunha Lima tem focado na entrega de obras e ações importantes para a cidade – como é o caso da requalificação do Parque Evaldo Cruz, da construção do Cinema da Educação no antigo Capitólio, das avenidas Félix Araújo e Plínio Lemos, de dezenas de obras na Educação e Saúde, além de centenas de ruas pavimentadas.

– Felizmente para Campina Grande e seu povo, Bruno não tem sido notícia em páginas policiais, a exemplo do próprio escândalo do Padre Zé ou dos graves indícios levantados pela Operação Salus, ou ainda a rumorosa “Calvário”, cujas investigações comprovam desvio de milhões de programas do erário destinado à populacao carente – pontuou Marcos Alfredo.

Por fim, Marcos Alfredo lembra que o atual secretário de Administração do Estado, na condição de titular do Desenvolvimento Econômico do Estado em 2021, teve as contas reprovadas pelo Pleno do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), com uma imputação de débito de R$ 4,2 milhões. Motivo: despesas não comprovadas com benefícios sociais do programa Cartão Alimentação, em razão de pessoas falecidas, oriundas de estados vizinhos e outras portadoras de CPFs não identificados.



Botão Voltar ao topo