DestaquesPolítica

Em Gurjão, rompimento entre Ronaldo e Zé Elias é iminente e só falta ser oficializado

Gurjão, município de 3.242 habitantes, localizado no Cariri da Paraíba, completou 62 anos de Emancipação Política nesta terça-feira (2).

Mas o assunto principal nas rodas de conversa, é o duelo épico que poderá acontecer no primeiro domingo de outubro deste ano entre o atual prefeito, José Elias (Republicanos), e o ex-prefeito, Ronaldo Queiroz (2013 – 2020), que promete ser uma da eleições mais acirradas da história do município. Ronaldo e Zé Elias são duas grandes forças política do município, eram aliados, mas agora estão em lados opostos.

Ronaldo já foi eleito por quatro mandatos consecutivos nas eleições de 1988 a 2000, o vereador mais votado de Gurjão, e presidiu a Câmara.Zé Elias, por sua vez, exerceu três mandatos de vereador, de 2001 a 2012, também tendo comandado o legislativo.

Ronaldo perdeu duas campanhas seguidas para prefeito. Em 2004 para Zé Carlos Vidal (in memoriam) e, em 2008, para Martinho Cândido (2009 – 2012). Mas de tanto insistir, em 2012 ele, finalmente, chegou à Prefeitura, ao derrotar Ineida Vidal.

Zé Elias, com problemas perante a Justiça Eleitoral, foi representado naquele pleito e no seguinte (2016) pela sua mãe, Tércia Borges, como vice-prefeita de Ronaldo. O compromisso era que, ao final do seu ciclo, Ronaldo indicasse Zé Elias, para disputar a sua sucessão em 2020, o que de fato aconteceu.

Surfando no prestígio de Ronaldo, que gozava de alta popularidade ao término do mandato, Zé Elias venceu com certa facilidade o pleito e tornou-se prefeito. Mas em bem pouco tempo, ele e Ronaldo já não falavam a mesma língua e ambos foram cada vez mais se afastando politicamente, a ponto de haver atualmente entre eles, um fosso intransponível.

Para azedar ainda mais a relação, Ronaldo pediu o cargo de secretário de administração a Zé Elias, o que ele prontamente negara, sob o argumento de que a Prefeitura não cabia eles dois. Por tudo isso, Ronaldo e Zé Elias vão protagonizar um duelo de gigantes na próxima campanha.

Por enquanto, Ronaldo leva vantagem, pois desde 2004 até 2016, ele disputou todas as eleições como cabeça de chapa, perdendo as duas primeiras e vencendo as duas últimas. Agora ele vai para a melhor de cinco em busca do terceiro mandato.

Pesa também a favor de Ronaldo, que ele é mais articulado politicamente e administrativamente. Zé Elias é mais paradão e não está conseguindo administrar a contento, cometendo erros crassos na tomada de decisões cruciais, como ter acabado com a grande festa da cidade, o Bode na Rua, as vésperas de iniciar o evento.

Além disso, demitiu cerca de 150 funcionários em dezembro, alegando contenção de despesa, mas logo em seguida anunciou uma festa em praça pública, onde deve desembolsar dos cofres do Tesouro Municipal, mais de R$ 200 mil de uma tacada só. O povo ficou sem entender.  No entanto, é bom lembrar, que ele está com uma caneta carregada de tinta na mão, e isso costuma fazer a diferença na hora H.

Mas também é de bom alvitre citar, que Ronaldo é acostumado a guerrear em condições adversas, como em 2012, quando conseguiu, na oposição, tomar a Prefeitura da situação. Portanto, o cenário está sendo montado para o tira teima entre Ronaldo e Zé Elias.

( Heleno Lima)



Botão Voltar ao topo