DestaquesPolítica

Câmara de Campina Grande aprova Lei orçamentária de 2024. Saiba os detalhes da sessão

Em uma sessão extraordinária que durou mais de cinco horas, os vereadores de Campina Grande votaram e aprovaram a proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2024.

A peça estava travada na Câmara desde o final de 2023, por falta de consenso em relação ao percentual das emendas impositivas que seriam apresentadas.

A sessão chegou a ser interrompida e teve momentos tensos, como por exemplo, quando a vereadora Ivonete Ludgério se dirigiu à mesa diretora e fez enfrentamento ao presidente Marinaldo Cardoso.

Desde o dia 30 de dezembro que vereadores e governo tentavam chegar a um acordo sobre o orçamento. Na última proposta enviada pelo Poder Executivo, constava o percentual de 0,7% do orçamento reservado às emendas impositivas.

Na sessão desta sexta-feira (19), os vereadores da bancada de oposição, que é maioria, rejeitaram um projeto do Executivo que adequava o percentual das emendas, reduzindo de 1,2% para 0,7% e aprovaram a LOA com o valor integral.

Ao final, o orçamento foi aprovado com a reserva de 14 milhões de reais (1,2%) para as emendas impositivas. Com isso, cada vereador terá direito a destinar mais de R$ 600 mil ao orçamentodo município.

O presidente da Câmara Municipal, Marinaldo Cardoso, falou que trabalhou para que houvesse um consenso em torno da proposta apresentada pelo prefeito Bruno Cunha Lima.

“Eu segui a proposta do prefeito Bruno e fiz o possível para que fosse aprovado os 0,7%, mas infelizmente a maioria decide”, avaliou.

Para o líder da oposição, Pimentel Filho, a aprovação das emendas permite a participação efetiva da população nos recursos do orçamento.

“Tenho certeza que esse novo orçamento vai melhorar muito a administração pública de Campina Grande”, declarou.

Já o vice-líder da situação, Alexandre do Sindicato, lamentou o posicionamento da Oposição em rejeitar a proposta do prefeito. Ele ressaltou que apresentou as emendas observando o percentual de 0,7% sugerido pela gestão municipal.

“Esperávamos que a oposição usasse de bom senso e acatasse o orçamento apresentado da forma que o prefeito enviou à essa Casa”, afirmou.

( blog do Max Silva)

 



Botão Voltar ao topo