Audiência Pública: Bruno aponta problemas graves na segurança pública do Município e cobra resultados do Governo do Estado

O prefeito Bruno Cunha Lima participou, nesta quarta-feira, 9, na Câmara Municipal, de audiência pública para debater a violência em Campina Grande. Em sua exposição, Bruno apontou erros graves na gestão do setor de segurança pública, cobrou do Governo do Estado resultados mais efetivos em favor do cidadão e ressaltou o esforço do Município no sentido de contribuir para amenizar o problema. O debate foi presidido pelo vereador Sargento Neto, autor da propositura para realização da audiência.

Segundo Bruno, a população tem sido alvo frequente de ações criminosas, como assaltos, furtos, homicídios e outros delitos. Conforme lembrou o prefeito, os crimes têm sido praticados em todas as áreas da cidade, sobretudo no Centro, onde os comerciantes ali instalados não têm a segurança mínima necessária para o desenvolvimento dos seus negócios.

Além dos vereadores, a audiência foi prestigiada por representantes das Polícias Civil e Militar, pelo deputado federal Pedro Cunha Lima e líderes empresariais. Durante a audiência, o prefeito Bruno Cunha Lima revelou sua preocupação com os últimos acontecimentos na área de segurança e defendeu uma política de tolerância zero em relação à atual escalada de criminalidade.

“Campina Grande vive um ocaso em segurança pública e não por culpa dos policiais, que cumprem suas obrigações perante a população, mesmo sendo penalizados com baixos salários e péssimas condições de trabalho”, ressaltou Bruno, acrescentando ser fundamental o Estado priorizar a segurança pública, com enfoque em Campina Grande, cidade que necessita, por exemplo, de um maior efetivo de policiais.

Bruno lembrou que o problema tem sido registrado ao longo dos anos e, mesmo assim, o efetivo policial à serviço de Campina Grande tem a mesma quantidade de outros centros de menor porte, o que não pode mais ser admitido, pois significa que Estado desconsidera a importância da maior cidade do interior do Nordeste.

“Além da pouca quantidade de policiais, constatamos que o policial paraibano recebe o menor soldo do Brasil. A hora extra deste pessoal é de apenas R$ 6,00 e, mesmo assim, dentro das suas possibilidades, o efetivo busca cumprir o seu papel, apesar de contar com armamentos antigos e viaturas em condições precárias”, lembrou o prefeito.

Bruno ressaltou que o governo municipal vem fazendo sua parte, efetivando investimentos no setor de segurança, tais como a instalação de câmaras de monitoramento, no Centro da cidade; e a realização de concurso público para duplicar o efetivo da Guarda Civil Municipal, que também será contemplada com novos coletes e armamentos. Bruno afirmou que a Prefeitura pretende implantar, em Campina Grande, uma das mais modernas Centrais de Monitoramento do Norte e Nordeste.

Por fim, Bruno defendeu a união de todos os segmentos sociais de Campina Grande sobre a necessidade da melhoria das condições da segurança pública. Em sua visão, toda a sociedade campinense precisa estar engajada em ações de cobrança e de mobilização para exigir um aparato de segurança capaz de garantir a paz e a tranquilidade a toda a população.

Load More Related Articles
.